Você É a Favor ou Contra Ser Contra?

O problema dos fanáticos de qualquer natureza, entre eles os terroristas ocupam lugar de destaque na escala da estupidez humana, é muito complexo e qualquer tentativa de explica-lo corre o risco de ser mera simplificação. Correrei o risco.

Simplificando o problema dos fanáticos é que eles são contra e não a favor. Eles querem destruir, combater, romper, acabar com… Você não encontrará fanáticos em criar, construir, agregar, adicionar, melhorar nada.

Para se criar um fanático é fundamental que se tenha um alvo do ódio, que se tenha um bode expiatório, algo contra o qual é imperioso lutar. Uma Jihad, a luta sagrada. Grandes impérios foram construídos, ditadores infames foram notabilizados e atrocidades cometidas porque havia um consenso de que era uma guerra “justa”, era uma luta “necessária”, um espaço “vital”, um “inimigo a ser combatido”. Ser do contra facilita a vida dos criadores de fanáticos. Ser do contra facilita a criação de ditadores e de ditaduras. Ser do contra facilita manipular e controlar pessoas.

É mais fácil ser do contra. Ser a favor dá mais trabalho. Vamos fazer campanha contra a mortalidade infantil, contra o câncer, contra os baixos salários. Lutemos contra o desemprego, contra a fome e a miséria. Não seria melhor ser a favor da saúde infantil, a favor do pleno emprego, da valorização do trabalho, da qualidade de vida e longevidade com saúde, da alimentação saudável e universal, das oportunidades, da acessibilidade, a favor da paz ?

No Oriente Médio, por exemplo, todos são contra todos. E todos são contra Israel. Mesmo que Israel tenha dado reiteradas manifestações de que, em geral, é a favor. É só conferir os dados: a favor da ciência, do desenvolvimento humano, da educação, da produtividade, da tecnologia, do Estado laico, da democracia, do cumprimento das leis. Existem fanáticos lá? Claro que sim. Onde eles não existem? Só que não dá para comparar com os vizinhos regionais. Os palestinos ainda não conquistaram sua autonomia completa porque gastam mais energia contra Israel (e os Judeus…), ou entre si, do que a favor do seu projeto de Estado.

O problema dos terroristas e fanáticos em geral se resolveria no momento em que eles usassem mais sua enorme energia para pensar no que desejam e não no que são contra. No que são a favor. O que querem construir, deixar como legado, contribuir. Não o que querem impedir, acabar ou destruir.

Mas a maior ameaça é que aqueles ditos civilizados, que ainda devotam energia a favor de algo, por conta da repetitiva destruição e da agressão dos fanáticos, acabem sendo contra. Contra os fanáticos. Dai passam a focar no que são contra e deixam de focar no querem. Dai troca-se um tipo de fanático por outro, que pena…

Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios